CEGO + 4

CEGO + 4
 
O ensaio é uma experiência sobre os limites entre percepção e visão, trazendo uma reflexão sobre a possibilidade de um diálogo entre a fotografia e sua relação híbrida com a cegueira. É no meio dessas interseções, entre heranças materiais e campos simbólicos, que as imagens buscaram desregrar os modos de ver, abrindo-se para os arquétipos que as pessoas e coisas guardam no inconsciente dos acontecimentos.
 
Durante os quatro dias que me propus a ficar totalmente cego, tive a oportunidade de experimentar uma diferença absurda entre visão e percepção. Foi significativo observar que quando tocava em pessoas que a tanto tempo as conheço, estava naquele momento vendo detalhes e significados de um corpo que os meus olhos não tinham percebido em tantos anos. Parecia que o vento me vestia ao tocar meu corpo, que mergulhar no mar era como estar dentro do ventre de uma mulher, que a cada toque de mão com uma pessoa desconhecida era um encontro com a alma do mundo. Quando abri os olhos, vi que estamos enrolados nos sentidos que damos a vida: usamos a visão para praticamente não ver, o tato para quase não sentir, os ouvidos para fingir não perceber e o paladar para esquecer de degustar.
 
ASSISTIR VÍDEO
 
Fotografia
Tamanhos variáves
Impressão de tinta mineral em papel de algodão
2015